Qual a importância do assoalho pélvico?

O assoalho pélvico é um conjunto de treze músculos, entre fáscias e ligamentos, que envolvem e sustentam os órgãos da região pélvica como: a bexiga, os órgãos reprodutores femininos, o reto e a próstata. Mas qual a importância do assoalho pélvico? Ele está relacionado às nossas funções sexuais e se localiza entre o púbis e o cóccix. Essa região também influencia no funcionamento dos esfíncteres urinários e anal, interferindo nas continências urinária e fecal.

Com o passar dos anos, o ser humano tende a perder força na sua musculatura e isso também pode ocorrer nos músculos que formam o assoalho pélvico. Além do envelhecimento, outros fatores podem contribuir para o enfraquecimento dos músculos dessa região. Dentre eles: obesidade, gravidez, parto, menopausa, fatores genéticos, alterações na produção do colágeno, e procedimentos cirúrgicos.

Quando isso ocorre, a flacidez dos músculos da região pode provocar prolapso. O disturbio também é conhecido como bexiga caída, incontinência urinária e fecal, e dor pélvica crônica. As relações sexuais também são diretamente afetadas, pois o distúrbio pode causar dores durante o ato, ejaculação precoce. Além de contração involuntária dos músculos – o que dificulta a penetração – e disfunção erétil.

Diagnóstico

Não existe um exame específico que identifique a flacidez nos músculos do assoalho pélvico. Logo, cabe ao paciente informar ao seu médico sobre os sintomas apresentados como a incontinência urinária. Com isso, será realizado o diagnóstico adequado e se inicie o tratamento.

Tratamento

Para fortalecer os músculos do assoalho pélvico, o ideal é que seja realizado um tratamento multidisciplinar que envolva médicos, fisioterapeutas e psicólogos. Existem exercícios para a região íntima que são passados por especialistas e ajudam significativamente. Quando realizados corretamente eles aliviam os sintomas e as dores no paciente. A Fisioterapia Uroginecológica é eficaz para reverter casos mais leves e é um importante auxilio no tratamento dos casos mais severos. Também podem ser indicados o uso de medicamentos e a realização de cirurgias dependendo do caso. A queda do útero e a bexiga baixa já podem ser tratados sem cirurgias, por meio do uso dos pessários vaginais. Já existem diversos tratamentos eficientes que amenizam e até revertem quadros de enfraquecimento dos músculos pélvicos. O importante é que, caso apareça algum dos sintomas, você não demore a procurar um especialista da área para iniciar o tratamento adequado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 200px;}